Qual a diferença entre a dermatite de contato e a atópica?

Qual a diferença entre a dermatite de contato e a atópica?

Qual a diferença entre a dermatite de contato e a atópica?

Bijuterias são as que mais desencadeiam dermatite de contato em mulheres

Cerca de 20% das crianças e 3% dos adultos são afetados pela dermatite atópica

Temos dois tipos de dermatite de contato: irritativa (80% dos casos) e alérgica. A dermatite de contato ocorre quando há o contato com alguma substância que desencadeia a dermatite na pele. A mais frequente em mulheres é a dermatite de contato alérgica devido ao uso das bijuterias, que são produzidas com sulfato de níquel e cloreto de cobalto.

Produtos de cuidados pessoais como sabonetes, xampus, desodorantes, cremes, produtos químicos capilares, ente eles a tintura de cabelo, são outros causadores de dermatite de contato. No caso da irritativa temos o exemplo de reação por detergentes e produtos de limpeza causando a reação nas mãos.

Membro do Departamento Científico de Dermatite Atópica/Dermatite de Contato da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), Dr. Octavio Grecco, conta que esse tipo de alergia também é frequente em algumas profissões, como a de pedreiro, por exemplo, já que ele é exposto diariamente ao cimento, outro agente desencadeante.

Os sintomas da dermatite de contato não são imediatos, podendo ocorrer depois de algumas horas ou até alguns dias, e são caracterizados por reações como vermelhidão, prurido e às vezes formações de vesículas (bolinhas com água onde ocorreu o contato com o objeto causador da alergia.

“Raramente ocorrem reações em vários locais do corpo e, neste caso, chamamos de Dermatite de Contato Sistêmica, que nesse representa uma doença grave. É importante procurar um especialista para obter o diagnóstico correto e o tratamento adequado, pois no caso de ser dermatite de contato alérgica pode tornar-se uma reação crônica”, explica Dr. Grecco.

A diferença entre dermatite de contato e dermatite atópica

A dermatite atópica (DA) se caracteriza por um processo inflamatório da pele com períodos alternados de melhora e piora. Os intervalos podem ser de meses ou anos entre uma crise e outra, mas alguns pacientes mantêm a doença crônica contínua. Não é contagiosa e está associada à asma e rinite.

Além de ter um fator hereditário, que determina a secura da pele, a DA pode ter vários desencadeantes como alimentos, aeroalérgenos (ácaros, fungos, epitélio de animais), perfumes e suor. Os aspectos emocionais desempenham um importante papel, tanto funcionando como fator desencadeante como agravante, evoluindo para a auto-reclusão dos pacientes.

Cerca de 20% das crianças e 3% dos adultos são afetados pela dermatite atópica, doença que tem origem genética e é considerada crônica. As principais características são pele seca e coceira intensa, que muitas vezes resultam em feridas. É mais comum na infância e cerca de 60% dos casos ocorrem no primeiro ano de vida.

No bebê as lesões predominam na face (bochechas), pescoço, couro cabeludo e, ocasionalmente, no resto do corpo. Em crianças maiores, adolescentes e adultos a DA atinge as dobras dos braços e pernas, face (em pálpebras) e pescoço.

A doença assume forma leve em 80% das crianças acometidas e em 70% dos casos há melhora gradual até o final da infância.